Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Música do Brasil

Música do Brasil

Roberto Carlos confessou que não canta "com a mesma alegria que cantava no início"

 

Após nove anos de ausência, Roberto Carlos realizou ontem o primeiro dos quatro concertos em Portugal, onde faltou alma e alegria, o que tornou o concerto muito morno.

Passavam quarenta minutos da hora marcada quando a magnifica banda, dirigida pelo Maestro Eduardo Lázaro, tocou um instrumental com excertos de refrões de temas do Rei.

Roberto Carlos sobe ao palco e o Meo Arena levanta-se, em uníssono, para aplaudir. Parecia que tinham uma mola em cada cadeira e que saltou quando o musico subiu ao palco.

Vestido, como sempre, de branco disse "quero dizer uma coisa para vocês" e começa a cantar o tema "Emoções", gravado em 1981 e que faz parte do álbum "Roberto Carlos" ("Quando eu estou aqui/eu vivo esse momento lindo"). Como não seria de esperar, o público acompanhou e no final aplaudiu com entusiasmo. Neste momento os fotógrafos saem de cena e não lhes foi permitido fotografar mais.

Para cativar o público, embora não fosse necessário, Roberto Carlos proferiu palavras agradáveis de ouvir: "obrigado por essas coisas lindas que tenho recebido de vocês", acrescentando que "gostaria de dizer muitas mais coisas, mas o meu negócio, entre outras coisas, é cantar".

Foi com "Eu te amo tanto", composta em parceria com Erasmo Carlos em 1968, e que faz parte do LP "O Inimitável", que continuou o concerto para 15 mil pessoas.

Uma referência para o majestoso jogo de luzes que acompanhou cada tema de Roberto e da banda.

Numa tentativa de interacção com o público, interrompe a canção para dizer "nós os caras sabemos que não é como nós queremos, mas sim como elas querem", referindo-se a quem manda nas relações. O Rei fez questão de salientar que "não existe um amor que ja se viveu. O verdadeiro amor existe sempre".

Um dos temas mais aguardados era "Calhambeque", tema que gravou em 1964 e fez parte do seu álbum "É proibido fumar". O tema foi dividido em duas partes: instrumental nos primeiros dois minutos e depois Roberto entra em palco para cantar. Foi uma ideia que agradou ao público e que tornou o tema ainda mais agradável.

O ponto alto foi quando interpretaram "As baleias", tema que gravou em 1981 e que faz parte do álbum "Roberto Carlos". Todo o pavilão acompanhou o musico e a banda. Notou-se mais alegria e alma no público que no interprete.

Roberto Carlos explicou que há uns anos tinha descoberto que nas canções de amor que fazia, "falava de alguma coisa a mais", embora não percebesse bem o que era. Alguém na plateia grita "inocência", mas ele respondeu "inocente nunca fui". Foi então que descobriu que "faltava falar de sexo", pois "o amor e o sexo são coisas que andam juntas"

O concerto não foi extraordinário, embora tivesse optimos musicos, uma produção bem feita. No entanto faltou a Roberto Carlos alma e alegria. Mas o musico confessou "não posso dizer que canto com a mesma alegria que cantava no início".

Numa altura em que a xenofobia voltou a ser tema do dia, Roberto Carlos sublinhou que "Brasil e Portugal têm uma relação de amor", frisando "tenho a certeza que se amam".

Durante cerca de duas horas foram também interpretados "Lady Laura", "Nossa Senhora", entre outros. Mas no final do concerto o Jornal Hardmusica perguntou a alguns espectadores: "qual o tema que gostavam que ele tivesse cantado?", e a maioria respondeu "Meu querido, meu velho meu amigo".

Roberto Carlos não se poupou em elogios à sua banda: "quem tem uma banda como esta não precisa de um cantor", salientando que "já tive oportunidade de gravar e tocar com os melhores musicos do mundo. A minha banda está incluida neles".

Roberto Carlos terminou com o tema "Jesus Cristo", gravado em 1970, em que o público que estava na primeira plateia levantou-se e foi para junto do palco. Após a interpretação, mas com a banda a tocar o instrumental, foi distribuindo rosas brancas e vermelhas ao público. Mas antes de as oferecer, beijava-as. Esta acção demorou cerca de dez minutos. O musico pensou que não teria de voltar ao palco, mas o público pediu mais. Bem mandado como mostrou ser, mesmo com a sala quase a metade, voltou para interpretar mais um tema e saiu. Mas já com as luzes acesas foi, novamente 'obrigado' a regressar para cantar outro tema. Assim que saiu, mesmo com o público a gritar por mais, foram acesas as luzes do palco. Assim já não havia mais hipoteses de voltar.

 

Fonte: Harmusica

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.