Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Música do Brasil

Música do Brasil

Frejat: "não tenho mais a referência do Cazuza"

Frejat se mostra um promíscuo em seu novo CD solo, tanta é a diversidade de parceiros com quem compôs as 11 canções de Intimidade entre estranhos. O guitarrista trocou figurinhas com Paulo Ricardo, Zeca Baleiro, Zé Ramalho, Gustavo Black Alien, Leoni, Ezequiel Neves e Maurício Barros, entre outros. Uma diversidade que confirma que os velhos tempos de monogamia, quando fazia acordes apenas para as inspiradas e eternas letras de Cazuza estão definitivamente deixadas para trás.

"Engraçado... durante meu processo de criação não é um momento que eu tenho mais a referência do Cazuza. Acontece muito quando mais quando eu ouço alguma música que ele gostava ou vejo um livro que a gente leu na mesma época", diz Frejat. "Estou aumentando minha promiscuidade. O desafio é trabalhar com vários parceiros e ainda ser eu na sonoridade final."

O disco não traz nenhuma surpresa para os que já conhecem o bom e velho Frejat de sempre, no som e no bom astral. As músicas de cerca de três minutos continuam menos rocks que as que faz com o Barão Vermelho.

"Eu gosto de falar de amor. É o universo que eu gosto de trabalhar. Mas se eu falasse só de amor sem refletir sobre o que estamos vivendo no dia a dia, sentiria que estava faltando alguma coisa. Não é um disco festivo, porque acho que os tempos não são. Talvez a única exceção seja a música Tudo bom, que encerra o álbum, e que eu fiz questão que fosse a última. Não queria que terminasse em um tom triste", conta.

O 'tom triste' a que ele se refere é uma temática implícita em boa parte das letras, e que já é sugerido desde o título do disco, Intimidade entre estranhos: histórias que tratam da experiência da vida urbana, com seus amores, encontros, desencontros e reflexões - como ele mesmo escreve no release de apresentação do álbum.

"Nada é tão denso quanto o tempo em silêncio/eu e eles no elevador", diz a faixa-título, parceria com Leoni. Mas não se trata de um disco conceitual.

"Eu não sou um cara de pensar em um título e fazer as músicas em cima dele. Tenho a maior inveja de quem consegue fazer isso. Eu faço as músicas e só depois penso em um título que englobe aquele material. Nunca conseguiria fazer um disco como a Adriana Calcanhotto, que fez o Maré, onde todas as músicas têm uma relação com o mar", compara.

De 12 a 14 de setembro, Frejat apresenta o novo show no Canecão, Rio de Janeiro. Ele aproveita a entrevista para fazer um desabafo, e reclama do público, que diz estar muito preguiçoso.

"Posso estar sendo saudosista, mas a música ficou tão forte como um elemento de entretenimento que está perdendo seu caráter artístico. Lembro que eu ia nos shows e queria ouvir um monte de músicas novas. Se hoje você faz um show com sete músicas do disco novo, pode ter certeza que em algum momento o público vai perder o foco."

"É um pouco frustrante isso, porque o artista quer mostrar um coisa nova, mas quando vem algo que as pessoas não conhecem, já sai aquele pessoal pro lado pegar uma cerveja, ou então ir no banheiro", diz o guitarrista. Frejat não concorda que o motivo de sua observação seja a qualidade das músicas, que não seriam tão boas quanto as de antigamente.

"As pessoas nem se dão a esse tempo, para avaliar. Vejo nos shows que sempre que começa uma música nova, o público já começa a conversar. É uma coisa que eu venho observando desde o meio da década de 90. Acredito que o motivo seja o fato de estarmos vivendo um tempo de decadência cultural, no Brasil e no mundo. São os tempos da superficialidade da informação. Ninguém se aprofunda, querem tudo mastigadinho. Sinto isso não só na música, mas também nos jornais, nos filmes... "

Para Frejat, a Internet é uma ótima ferramenta, mas tem a ver com essa superficialidade que destaca.

"Não sei por que ainda estamos gravando discos, já que ninguém mais compra. Eu acho gratificante e edificante ir em uma livraria ou em uma loja de discos e escolher um disco ou livro que você vai ficar curtindo durante o fim de semana."

E por falar em Internet, quem estiver ansioso e curioso para conferir o novo som de Frejat antes do dia 2 de setembro, quando o CD vai estar nas lojas, pode conferir o álbum na íntegra no www.myspace.com/intimidadeentreestranhos
 

Fonte: Terra Música