Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Música do Brasil

Música do Brasil

Entrevista: Margareth Menezes

 

A cantora Margareth Menezes lança neste domingo [24.10] o seu novo DVD, Naturalmente Acústico. Em entrevista exclusiva para o Portal Axezeiro, musa Afropop Brasileira fala sobre este novo projeto, que contou com grandes nomes tanto na produção, quanto nas participações especiais. Maga conta detalhes da escolha de locações, além de falar dos projetos para o Carnaval.
 
Portal Axezeiro: Margareth, você lança neste fim de semana o DVD “Naturalmente Acústico”. De onde surgiu a idéia de transformar o CD em um projeto neste formato?
Margareth Menezes:
“Naturalmente Acústico” nasceu de “Naturalmente”, que foi um projeto de 2008. Mas foi apenas levemente baseado, porque acrescentamos várias músicas e convidados. Ficou bastante diferente, surpreendeu.
 
PA: Você esteve envolvida em todos os detalhes deste projeto?
M:
Eu dei as diretrizes, falei de minhas idéias, mas também contei com uma equipe competentíssima, que encaminhou muito bem o projeto. Teve o Marco Mazzola, grande produtor musical, o Wiland Pinsdorf, ótimo diretor de vídeo... Eles e toda a equipe foram ótimos.

 

 

PA: Há imagens de vários lugares de Salvador neste DVD. Como eles foram selecionados?
M: Escolhemos lugares que representassem a cidade de Salvador e que tivessem, de alguma forma, ligação comigo, com minha história e com minha música. Eu nasci e vivi muitos anos na Ribeira, o Candeal/ilha dos Sapos é do meu queridíssimo irmão Carlinhos Brown, que também participa do DVD... A feira de São Joaquim e o Parque de Pituaçu são dois lugares que adoro...
 
PA: E as participações, como foram selecionadas?
M:
Escolhi pessoas queridas, com talento, que achei que fossem complementar as músicas, dar um toque a mais.
 
PA: Você é uma artista extremamente plural e, nesse projeto você mostra toda esta união de elementos que formam sua carreira, interpretando as músicas com muito sentimento. O teatro a ajudou neste forte lado emotivo?
M:
Sim, ajudou bastante. Fiz teatro durante um tempo e aprendi muito no teatro. Ajuda a ter mais noção do palco, dos movimentos, do espetáculo de um jeito mais cênico.
 
PA: Fala um pouco sobre o seu lado compositora, que também está presente neste projeto.
M:
Desde que comecei a cantar, venho tentando compor. No Naturalmente Acústico mesmo, tem uma composição minha com Brown, “Amor Ainda”, e tem também uma só minha, “Quero te abraçar”. Gosto de compor coisas românticas.

Portal Axezeiro: Margareth é uma artista que pertence a uma classe das estrelas que não gostam de expor sua vida pessoal, esse seu resguardo não atrapalha sua carreira artística?
M:
Acredito que não. Foi uma opção minha, a de preservar minha vida particular. Nada contra quem expõe, mas a minha escolha foi a de me reservar, preservando família e amigos.

Portal Axezeiro: Você já foi destaque nos principais jornais do mundo chegando a ilustrar as capas do The New York Times, Le Monde, Washington Post, Players entre outros. Sente alguma dificuldade de interpretação com a mídia local?
M:
Graças a Deus, não. Não tenho o que me queixar da mídia local. Existem muitos profissionais talentosos e éticos que trabalham aqui e sempre me trataram com muito respeito e carinho. Claro que existem exceções, mas prefiro nem falar dessas exceções.

Portal Axezeiro: Você foi bastante criticada por expor sua opinião em relação ao pagode da Bahia. Se paga muito alto o fato de ser verdadeira?
M:
Foi algo que já passou, fui bastante mal interpretada na época. Não tenho absolutamente nada contra o pagode. Muito pelo contrário. Eu apenas sou contra músicas que denigrem a mulher e/ou são grosseiras. Músicas que têm palavras de baixo calão também me incomodam. Fora isso, é tudo tranqüilo.

 

 

Portal Axezeiro: Carreira consolidada, casada, saúde em dia, falta algo para deixar Margareth realizada?
M:
Obrigada, mas ainda há muito trabalho, ainda tenho muita coisa pra fazer nessa vida! Ainda tenho muita estrada pela frente!

Portal Axezeiro: Suas apresentações locais têm uma energia inexplicável, é diferente nos demais locais que você se apresenta? Como é sua relação com a Bahia?
M:
Obrigada! Há diferenças de interação com o público, às vezes as pessoas conhecem mais as letras, pulam mais, estão mais animadas... Mas cada show é um show, é sempre uma emoção diferente!

PA: Hoje como a grande representante do movimento Afropop Brasileiro, como você enxerga a música negra?
M:
Acho uma música riquíssima, pluralísisma, cheia de possibilidades. É linda. E, graças a Deus, é o que gosto de fazer.
 
PA: Faltam hoje músicas com elementos da cultura afro, que são grandes aliados na difusão das raízes brasileira?
M:
Não sei te responder isso... Não cheguei a fazer essa pesquisa.
 
PA: Como andam os preparativos para o Carnaval 2011? Já existe uma programação?
M:
Vamos ter os eventos de verão do Movimento Afropop Brasileiro e também vai ter o bloco sem cordas, no carnaval.
 
PA: Para finalizar, deixa uma mensagem para o público.
M:
Um grande beijo pra todos os leitores e muita paz!

Fonte: Axezeiro