Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Música do Brasil

Música do Brasil

Axé faz 25 anos, cresce no Brasil e no exterior, mas perde espaço na Bahia

Foi Luiz Caldas quem inaugurou a axé music em 1985 com o sucesso de "Fricote". A música do cantor, da qual até hoje ninguém conseguiu esquecer o refrão ("Nega do cabelo duro, que não gosta de pentear..."), é considerada o marco zero do gênero baiano.

 

Daniela Mercury em seu primeiro grande show em São Paulo, no vão livre do Masp, em 1992

Daniela Mercury em seu primeiro grande show em São Paulo, no vão livre do Masp

 

Neste ínterim de 25 anos, assistimos a uma lucrativa indústria se formar em torno do axé e do Carnaval --fora de época ou não--, alçando seus artistas entre os mais populares e lucrativos da música brasileira. Enquanto isso, o gênero cresceu para além de Salvador, se espalhando pelo Brasil e para fora dele. Mas, em um movimento inverso, perdeu espaço dentro da Bahia para outros gêneros.

"A axé music era avassaladoramente a mais executada, a mais ouvida, a mais pedida. Ela perdeu espaço nas ruas", defende Milton Moura, professor de história da Universidade Federal da Bahia e estudioso do gênero. "No auge, nos anos 90, quando vendia milhões de cópias, o axé era 90%. Os outros gêneros eram muito poucos. Hoje, está mais equilibrado", afirma o jornalista do "Correio" da Bahia Osmar Martins, que já visitou dez países acompanhando shows de artistas de axé. "Mas ele ainda é tocado o ano inteiro e, quando chega o Carnaval, ganha uma dimensão maior", diz.

Moura cita o crescimento de gêneros como o arrocha --um "bolerão popular"--, o pagode baiano --"um desdobramento do samba de roda, que se modernizou a partir dos anos 90"-- e o forró eletrônico como responsáveis pelo decréscimo --e não declínio, pontua-- do axé dentro da Bahia.

"Quando outros ritmos populares começam a ficar importantes, o axé se sofistica, também através de conexões na MPB, procurando atrair um público de classe média de outros lugares", afirma Moura, lembrando o contingente de foliões de outros Estados nos blocos de Salvador no Carnaval.

Carlinhos Brown, por exemplo, assinou parcerias com Paralamas do Sucesso, Marisa Monte e Arnaldo Antunes, além de se enveredar pela música caribenha. Daniela Mercury gravou composições de Lenine e Chico César e flertou com a eletrônica. "A Ivete diz que é uma cantora de axé. Mas se você ouve "Pode Entrar" [disco com convidados como Marcelo Camelo a Maria Bethânia], é uma cantora pop", completa Martins. "Os nomes mais importantes hoje são aqueles que fazem sucesso fora da Bahia", defende Moura.

Para o crítico musical Hagamenon Brito, que cunhou o termo "axé music", esta geração de cantores é "envelhecida", citando o Asa de Águia, que como o Chiclete com Banana, começou nos anos 80. "Os ídolos de hoje são os mesmos dos anos 90", diz Moura. Hagamenon completa: "Para o tamanho da indústria, a renovação é pequena. Surgem novos nomes, que não viram estrelas".

A última a se tornar uma delas, entre vários outros artistas de poucos carnavais, Claudia Leitte tateia sua identidade musical, mas já bem diferente daquele que Luiz Caldas construiu nos anos 80.

 

Fonte: Folha Online