Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Música do Brasil

Música do Brasil

Com novo CD, Milton Nascimento paga dívida com Tom Jobim

Cantor, considerado pelo maestro seu melhor intérprete, grava Jobim pela primeira vez.
Milton e Jobim Trio começam turnê do "Novas bossas", na próxima semana, no Rio.
Foto: Divulgação
Jobim Trio e Milton Nascimento lançam CD "Novas bossas". (Foto: Divulgação)
 

Com o CD "Novas bossas", lançado nesta quarta-feira (5), o cantor e compositor Milton Nascimento diz estar pagando uma dívida de anos. Admirado por Tom Jobim - que dizia que ele era o melhor intérprete de suas canções - este é o primeiro disco que Milton grava com músicas do maestro e, segundo ele, o trabalho que  mais queria fazer.

 

"Novas bossas"”, gravado junto com o Jobim Trio - o filho Paulo Jobim, o neto Daniel Jobim e o "irmão" Paulo Braga - reúne 14 composições que também homenageiam o gênero musical nascido no Rio de Janeiro, a bossa nova. A turnê carioca vai ser nos dias 14, 15, 16, 22 e 23 de março, no Mistura Fina, no Arpoador, na Zona Sul do Rio. Depois eles seguem por São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Espanha, Portugal, França e Estados Unidos. 
 

"Essa parceria ainda pode render muito. Por isso, achamos que não vai parar por aí. Temos muitos aniversários para celebrar e todo mundo me pede para fazer um disco comemorativo. Mas queria realmente trabalhar em algo que nunca tinha feito. Eu devia isso ao Tom Jobim", disse Milton Nascimento, prometendo brindar o público com muitas outras canções na turnê do "Novas bossas".

 

 Homenagem a Jobim

O CD “Novas bossas”, na verdade, começou a ser preparado no ano passado, quando das celebrações dos 80 anos de Antônio Carlos Jobim, numa apresentação de Milton Nascimento e Jobim Trio, no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio. Da reunião dos amigos de mais de 30 anos surgiu a idéia de gravar um CD. O baixista Rodrigo Villa foi então convidado para participar deste trabalho.

 

"Fizemos um show juntos em Porto Alegre que foi tão bom que decidimos gravar o CD. Começamos a analisar o repertório e chegamos a mais de 30 canções. As escolhas foram surgindo naturalmente até chegarmos ao disco", contou Paulo Braga.

 

Praticamente todo o disco foi gravado no estúdio montado na casa de Milton Nascimento. Sem pressa, os amigos foram reunindo, além de clássicos do gênero como “Samba do avião” e “Chega de saudade”, as canções que gostariam de tocar.

 

"Entre a gravação e a mixagem, levamos cerca de três meses trabalhando. Mas também íamos à praia, depois voltávamos para o estúdio. Íamos fazer somente a pré-produção na casa do Milton, mas nos entrosamos tão bem que fizemos o trabalho todo lá mesmo. Foi tudo muito descontraído. Parecia brincadeira", destacou Daniel Jobim.


 

 Novos arranjos e música inédita

Com novos arranjos, foram incluídas também a composição “Dias azuis”, de Daniel Jobim  - única canção inédita no Brasil que está no disco - e músicas do “Clube da esquina”, como “Tudo o que você queria ser”, de Lô e Márcio Borges, “Cais”, de Milton e Ronaldo Borges, e “Tarde”, de Milton em parceria com Márcio Borges. No CD também foram lembrados Vinícius de Moraes, com "Medo de amar", e Dorival Caymmi, com a  canção “O vento”.

 

"Temos música para os discos 2, 3, 4 e quando o repertório acabar, a gente faz novos arranjos e começa tudo de novo. Já tinha cantado uma música ou outra nos shows, mas nunca tinha gravado um disco com as músicas de bossa nova, que eu adoro", enfatizou Milton.

 

A estréia da turnê foi especialmente marcada para o Mistura Fina, no Arpoador, que segundo Milton tem tudo a ver com o espírito de Jobim, já que é um lugar que permite um show mais intimista e fica de frente para o mar.

 

"O show vai ter muito mais músicas que o disco. Fiquei quatro anos em turnê com "Pietá" e todo dia a gente fazia um show diferente. Com 'Novas bossas' vai ser a mesma coisa", disse Milton.

 

"São músicas conhecidas já gravadas muitas vezes, mas que ganharam um frescor com novos arranjos, a espontaneidade com que trabalhamos e com a voz do Bituca", disse Paulo Jobim, se referindo a Milton pelo apelido de criança. 

 

 

 50 anos de bossa nova

Tombada em 16 de outubro como patrimônio cultural carioca, a bossa nova, ritmo musical está completando 50 anos. O CD "Novas bossas" é uma homenagem ao gênero. que vem sendo lembrado em grande estilo.

 

No dia 1º março, um show para lembrar o cinqüentenário da bossa nova reuniu cerca de 80 mil pessoas na praia de Ipanema, na Zona Sul do Rio. O espetáculo, que reuniu cantores como Carlos Lyra, João Donato, Emílio Santiago, Maria Rita, entre outros, foi apresentado por Miéle e Thalma Freitas. O show vai dar origem a um DVD comemorativo.

 

Fonte: G1 Música