Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Música do Brasil

Música do Brasil

Astros brasileiros já fizeram história no Grammy

João Gilberto, Laurindo Almeida, Gilberto Gil e Roberto Carlos tem esse troféu

 

 

Divulgação/Sony Music

Roberto Carlos ganhou um Grammy em 1988
 

 

 

Dizem por aí que você encontra brasileiro até na Lua. Então, nada mais lógico do que compatriotas entre os vencedores do Grammy. E já tivemos um que conquistou um troféu categoria mais importante da premiação. Trata-se de João Gilberto.

Em 1964, o Papa da Bossa Nova foi o vencedor do Álbum do Ano com Getz/Gilberto, disco que gravou ao lado do músico de jazz americano Stan Getz, e do qual participam a cantora Astrud Gilberto (sua esposa na época) e o maestro soberano Tom Jobim.

O brasileiro que ganhou mais troféus Grammy não é muito conhecido do grande público. Trata-se do violonista erudito Laurindo Almeida (1971-1995), que faturou cinco estatuetas entre os anos 60 e 80.

Em 1975, o grupo Chicago faturou o Grammy de Melhor Performance Pop Vocal, com a música If You Leave Me Now. E o que o Brasil tem a ver com isso? O percussionista brasileiro Laudir de Oliveira era integrante da banda, nessa época.

Roberto Carlos venceu o Grammy em 1988 em Melhor Performance Pop Latina, com o disco que inclui a música Si El Amor Se Va, maior hit do Rei no mercado latino.

O número de brasileiros ganhando troféus Grammy aumentou a partir dos anos 90, quando foi criada a categoria World Music. Nela, artistas brazucas como Milton Nascimento, Gilberto Gil, Sérgio Mendes e Caetano Veloso conquistaram suas estatuetas em formato de gramofone.

 

Neste ano, a única representante do país é Stella Hastings, radicada desde os oito anos de idade nos Estados Unidos. Ela concorre na categoria Melhor Álbum Clássico.

 

Fonte: R7

Caixa de CDs do Raul Seixas abre o baú de canções do roqueiro

Coletânea reúne os seis primeiros álbuns do cantor e duas antologias com hits

 

 

Divulgação

Caixa apresenta o cantor aos não iniciados
 

Para os fanáticos por Raul Seixas (1945-1989), que não são poucos, é chover no molhado, mas para os não iniciados, a caixa 10.000 Anos à Frente (Universal) é o que há de melhor para ser explorado no baú do roqueiro. O box contém seus seis primeiros álbuns, gravados na Philips - os clássicos Krig-ha, Bandolo! (1973), Gita (1974), Novo Aeon (1975) e Há 10 Mil Anos Atrás (1976) -, e duas antologias com hits do rock dos anos 1950 e 60.

 

O primeiro teve três versões. Inicialmente, o disco se chamava Os 24 Maiores Sucessos da Era do Rock e foi atribuído a uma banda inventada, Rock Generation. Tão fake quanto a banda são os aplausos e assobios que dão a impressão de se tratar de um disco ao vivo. Essa é a parte chata. Já com o de Raul, o LP foi relançado em 1975, intitulado 20 Anos de Rock e relançado em 1985 como 30 Anos de Rock. A capa da última versão é que foi para o CD. Nele, Raul repassa os primórdios do rock americano e brasileiro em medleys. O outro do gênero, Raul Rock Seixas, de 1977, é uma sequência mais consistente. Na última faixa, Raul funde Blue Moon of Kentucky com Asa Branca (Luiz Gonzaga/Humberto Teixeira).

 Em Gita, Raul canta um bolerão rasgado (Sessão das 10), canção ao estilo Broadway com ares jazzísticos (Moleque Maravilhoso) e, entre temas espiritualistas, filosóficos, libertários e ecológicos, na maior parte em parceria com o letrista Paulo Coelho, também reforça o bom senso de humor. Nesse aspecto, o melhor vem no álbum seguinte, Novo Aeon (que abre com Tente Outra Vez) na impagável brega Tu És o MDC da Minha Vida. O disco de 1976 se inicia com a canção mais dramáticas da dupla Raul-Coelho, Canto para Minha Morte, cujo ritmo não poderia ser mais adequado: um tango.

 Nem é preciso dizer que Gita parece uma coletânea de clássicos, com Medo da Chuva, Trem das Sete, Sociedade Alternativa (que virou uma espécie de hino da tolerância), algumas já citadas acima e outras mais. Krig-Ha, Bandolo! não fica atrás com Ouro de Tolo, Al Capone, Metamorfose Ambulante, Mosca na Sopa, etc. Os CDs contêm as mesmas faixas-bônus de quando foram lançados em outro box set, Maluco Beleza, de 2002. As únicas novidades são o formato da caixa e os textos do jornalista Silvio Essinger. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Fonte: R7

Edu Lobo lança novo álbum após 15 anos

 

Chega às lojas nos próximos dias um novo álbum do compositor Edu Lobo. Este novo trabalho é chamado “Tantas Marés” e será lançado pela Biscoito Fino 15 anos após seu último álbum de carreira, “Meia-Noite”.

“Tantas Marés” traz músicas inéditas, como “Coração Cigano” e “Qualquer Caminho” - parcerias de Edu com César Pinheiro - e regravações como “Angu de Caroço”, lançada originalmente em 1980 e composta por Edu Lobo e o poeta Cacaso. “Ode aos Ratos”, “Ciranda da Bailarina” e “A Bela e a Fera” - da safra de parcerias com Chico Buarque - também estão no disco.

O álbum tem produção e arranjos assinados por Cristóvão Bastos e conta com a participação especial da cantora Mônica Salmaso. Abaixo o repertório de “Tantas Mares”:

01. Dança do Corrupião
02. Coração Cigano
03. Primeira Cantiga
04. Angu de Caroço
05. Perambulando
06. Qualquer Caminho
07. Ode aos Ratos
08. Vestígios
09. Ciranda da Bailarina
10. Senhora do Rio
11. A Bela e a Fera
12. A História de Lilly Braun

 

Fonte: Território da Música

Novo site do Harmonia!

Novo site do Harmonia!

 

O ano de 2010 começou cheio de novidades para a banda Harmonia do Samba. Após o Cd Só Pra Dançar, se firmar em nova produtora baiana e mais uma vez bombar com seus ensaios de verão, a banda de Xanddy lança seu novo site.

Na segunda-feira [25.01], a nova página foi disponibilizada para os internautas. A mesma encontra-se mais alegre, dinâmica e interativa, oferecendo aos fãs do Harmonia muitas novidades, a história da banda, músicas, blog e muito mais.

O novo site foi feito seguindo as novas tendências tecnológicas, dando ao internauta uma interface mais fácil de manusear. Para conhecer basta acessar o www.harmoniadosamba.art.br.

 

Fonte: Axezeiro

Olodum comemora 30º carnaval com CD de inéditas

Banda Olodum é o primeiro trabalho do grupo em estúdio de desde 2005

 

Toda terça-feira, desde o fim de dezembro, o grupo Olodum realiza seus tradicionais ensaios de verão, no Pelourinho, em Salvador. É o ponto alto da chamada Terça da Bênção da cidade e a oportunidade para o grupo de testar as novidades que serão apresentadas durante o carnaval.
Este ano, porém, os ensaios são especiais: o grupo prepara-se para o 30º desfile pelos circuitos carnavalescos, experimenta novos temas nas canções e ainda tem de encarar um sentimento misto de comemoração e pesar às vésperas da maior festa popular do mundo.
Em abril de 2009, o Olodum completou o 30º aniversário. Pouco depois, porém, o grupo originalmente formado apenas para ser um bloco carnavalesco dos habitantes do Pelourinho – então um bairro de classe média-baixa da capital baiana – viu partirem dois de seus maiores ídolos e divulgadores. Em 25 de junho, morreu o norte-americano Michael Jackson. Quatro meses mais tarde, em 31 de outubro, foi a vez do músico baiano Antonio Luís Alves de Souza, o Neguinho do Samba.
Mesmo antes das mortes, os administradores do Olodum sabiam que o período entre 2009 e 2010 seria de desafios. Na pauta, o lançamento de um CD – o primeiro com canções inéditas desde 2005 –, os preparativos para o 30º carnaval e a tentativa de reafirmação da trajetória da banda nos mercados brasileiro e internacional.
Banda Olodum, com nove novas canções – além de quatro regravações –, mostra que perdem força as referências a Salvador. "A gente já falou demais do Pelourinho", avalia o diretor de Eventos do grupo, Jorge Rodrigues. "O novo trabalho é mais comercial, espelhando o que está sendo feito na música da África."
O tema do 30º carnaval, "Índia, Brasil, África do Sul - A terceira visão", é uma síntese da aposta da banda na convergência cultural com outros países. O novo CD está disponível apenas para distribuição e as canções podem ser baixadas no site da banda.

 

Fonte: IG Música

‘Rebolation’ surge como hit de verão em Salvador

Pagode baiano com batidas eletrônicas foi lançada pelo Parangolé.
Composição é sensação com Ivete, Cláudia Leitte e Daniela Mercury.

 

Foto: Edgar de Souza/Divulgação
Léo Santana faz a coreografia do 'Rebolation'
 

A música “Rebolation” caiu nas graças da Bahia e já virou hit de verão em Salvador. O pagode baiano realmente parece que vai tirar o trono do axé, que completa 25 anos em 2010, durante o carnaval baiano deste ano. Além do grupo Parangolé, comandado pelo cantor Léo Santana, eleito a revelação da folia de 2009, a banda Psirico também permanece como destaque na opinião de Caetano Veloso, por exemplo. Neste ano, além do antigo sucesso “Cole na corda”, Márcio Victor lançou “Pode pular”, mistura de samba, pagode e pop.

 

Na temporada de verão, o “Rebolation” já foi cantado por Daniela Mercury durante os ensaios de carnaval, por Ivete Sangalo, em seus shows, e até mesmo por Cláudia Leitte, que encerrou a apresentação no Festival de Verão cantando a fazendo a coreografia no palco.

 

A música foi composta por Léo Santana e Nenel. Tocada pelo Parangolé, tem batidas eletrônicas e foi inspirada no som das raves. A coreografia foi gravada em um clipe, encomendado pela Universal Music, com mais de 50 figurantes e dançarinos. “É uma alegria muito grande ter sido eleito o cantor revelação do carnaval do ano passado. A cobrança sempre será maior. Espero que todos gostem do ritmo e, principalmente, da coreografia”, disse Léo, que tem se apresentado com 40 dançarinas no palco.

 

Foto: Edgar de Souza/Divulgação
Léo Santana comanda a coreografia do 'Rebolation'

 

Caetano Veloso acredita que o pagode seja mesmo a cara atual da Bahia. “É um som forte e que tem tudo a ver com Salvador. É mais pop que a música pop. Exemplo disso é que, apesar de gostar dela, não consigo mais ouvir a Beyoncé no rádio. O som do Psirico me parece muito mais gostoso e muito melhor que a Beyoncé. O pagode baiano é a forma mais recente do samba. É o que temos de mais forte agora”, disse o cantor, que já teve Márcio Victor como um de seus percussionistas.

O cantor continuou a elogiar o ritmo do pagode baiano. “O Rio de Janeiro começou a fazer muita música de carnaval e depois chegou ao samba-enredo. Aqui na Bahia é diferente. Há uma riqueza, um tesouro musical que é muito forte e vai contra toda a caretice que existe”, disse Caetano Veloso.

 Foto: Eduardo Freire/Divulgação

Caetano Veloso canta 'Cole na corda'na abertura de seu show em Salvador

 

Foto: Juarez Matias/Divulgação
Psirico toca pagode, um dos ritmos preferidos em Salvador

 

Além do "Rebolation' outra música que tem animado as ruas de Salvador é “Na base do Beijo”, de Ivete Sangalo, que também já é cantada por outros artistas e se potencializa como forte candidata a hit de verão. Cláudia Leitte também aparece com a música “As máscaras”, que ela canta nos shows desde dezembro e o público já faz coro por onde passa.

 

 

Mistura total

O sertanejo também aparece como uma das opções que os baianos fizeram para ouvir na temporada de verão. Em 2009, Vitor e Léo tocaram no Festival de Verão de Salvador, e encerraram uma das noites do evento em grande estilo e com direito a coro de mais de 50 mil pessoas. “Não temos essa coisa de rótulos. Não escolhemos músicas para ouvir e para tocar assim. Não temos essa coisa de bairrismo, de que somos uma dupla sertaneja na terra do axé. A própria Bahia é uma mistura de ritmos. Somos da roça, mas gostamos do que toca fora dela.”

 

A dupla Jorge e Mateus, navegam pelo axé e sertanejo desde 2008, quando vieram pela primeira vez para Salvador. A dupla foi convidada pelo músico baiano Alexandre Peixe. "Ainda acho que o axé ainda é grande inspiração musical. O axé será o grande ritmo deste verão", disse Jorge.

 

O forró também tem dado as caras no território baiano há pelo menos quatro anos. Durante o Festival de Verão de Salvador, o grupo Aviões do Forró se apresentou e parece já ter uma identidade com o público local, já que desfile no carnaval da capital baiana com um trio elétrico. "O axé é a música da Bahia, mas o povo abraça a música como um todo, abraça também o forró", disse a cantora Solange, que é baiana e divide o microfone do Aviões com Xandi.

 

Foto: Eduardo Freire/Divulgação
Aviões do Forró já circula por Salvador há quatro anos
 

Axé histórico

Daniela Mercury lembrou dos primórdios do trio elétrico para falar do que a Bahia toca e ouve atualmente. “Nos anos de 1980, a nossa geração tocava rock. A gente não tinha repertório de carnaval, por exemplo. A gente fazia galopes de São João, depois veio o frevo. Só muito tempo depois, com inspiração na MPB é conseguimos chegar no axé.”

 

Carlinhos Brown, que se apresentou com a Rainha do Axé no Festival de Verão, compartilha da opinião de Mercury, mas faz uma ressalva sobre a importância do axé na Bahia. “O trio elétrico completa 60 anos, o axé faz 25 anos, mas os tambores da Mãe Menininha do Gantois completa 120 anos. Sem isso, a Bahia não teria nada, então, é preciso não deixar que isso seja esquecido. Precisamos dar valor ao que realmente tem valor.”

 

O cantor Bell Marques, do Chiclete com Banana, disse que o axé e a música baiana como um todo ainda será o hit de verão. “Desde que ouvi a música ‘Pombo correio’, no começo da minha carreira, nunca mais deixei de gostar da música baiana."

 

Marques disse essa é a terceira geração de pessoas que ouvem axé. "Dodô e Osmar foram as grandes inspirações que tive para começar a seguir a vida artística”, disse o músico, que tem a peculiaridade de se apresentar nos dois circuitos de carnaval baiano, durante as quatro horas de desfile, apenas com hits próprios, sem fazer covers ou versões de outras músicas.

 

Foto: Eduardo Freire/Divulgação
Bell Marques é defensor do axé em Salvador

 

Fonte: G1

Os hits do Carnaval 2010

Todo verão tem seu hit. Ou melhor, hits: sempre existem aquelas músicas que não param de tocar nas rádios ou que ficam no repeat em várias baladas.

Pensando nisso, o Virgula Música separou algumas faixas que, se ainda não se transformaram em hits do verão, estão bem perto de não sair das paradas no comecinho de 2010. Veja abaixo as nossas apostas:

O hit para ir até o chão

Um dos hits do começo de 2010 é invenção do grupo Parangolé. O vídeo abaixo, que já virou sensação na web, mostra como dançar o rebolation, que também é o nome da música do grupo. Em sua apresentação no Festival de Verão de Salvador deste ano, o Parangolé percebeu que sua investida deu certo: grande parte do público já dançava junto.



O axé de Michael

O grupo de axé Saiddy Bamba não economizou na criatividade - e na cara de pau - para criar o hit Piri, um cover pra lá de questionável do clássico Beat It, de Michael Jackson. A música, forte candidata a webhit do Carnaval deste ano, é engraçadíssima e tem uma letra impagável. Veja abaixo:



Rainha do axé

As Máscaras, de Cláudia Leitte, foi lançada oficialmente em uma apresentação da cantora no Sauípe Fest em novembro do ano passado, mas só agora começou a estourar de vez nas rádios de todo o país. A música é uma forte candidata a hit do Carnaval e do verão baiano em 2010.



Fonte: Virgula Música

Victor & Leo e os segredos de um grande sucesso

Dupla mineira explora com muita competência as lições dos tempos de barzinhos

 

 

Divulgação/Verão Show

No palco, Victor se incumbe do violão acústico e faz vários solos
 

 

Explicar o por que um determinado artista se tornou um fenômeno de popularidade nem sempre é fácil, mas justificar o estouro de Victor & Leo não é tão complicado, após conferir com atenção uma performance ao vivo dos irmãos mineiros.

 

O primeiro ponto é a experiência deles como músicos da noite. Durante 14 anos, eles tocaram em bares de São Paulo e Belo Horizonte. No repertório, canções de diversos estilos. Quem atua nessa área sabe: o importante é agradar o público, custe o que custar.

Nesse tempo todo, Victor & Leo aprenderam a fazer um som polido, bastante entrosado e pop até a medula. Não é de se estranhar o fato de que um dos empresários do duo, Luiz Antonio Pedreira, rejeita o rótulo de dupla sertaneja para eles.

Victor & Leo seguem a receita de inúmeros artistas internacionais, como Gart Brooks, Shania Twain, Amy Grant e Beyoncé, só para citar alguns nomes.

A estratégia é a seguinte: parta de uma base inicial mais restrita (country, funk, música religiosa, etc) e amplie com o tempo esse horizonte sonoro, de forma a se tornar pop. Dessa forma, você tem uma base fiel de público e simultaneamente invade outras praias musicais.

Lógico que não é todo mundo que consegue tornar viável essa mistura. E é esse um dos grandes méritos de Victor & Leo. Do sertanejo, eles mantêm o canto em duo, a aposta em eventuais acordeons e também uma ou outra música sertaneja de raiz.

Do country rock, vem a energia, os violões de cordas de nylon e aço e as harmonias vocais. E da MPB de tendência romântica - especialmente do grupo Roupa Nova - surgem as melodias doces, sem surpresas, com a dose certa de elaboração, de forma a não complicar a sua assimilação pelo grande público.

 

 

A presença de palco dos irmãos é muito boa. Victor assume o papel do músico da dupla, tocando violão com bastante competência e se incumbindo com frequência dos solos instrumentais - que faz de forma simples e eficiente.

Como não carrega um instrumento, Leo fica com a missão de ser o principal foco vocal e também de correr mais pelo palco.

A banda que os acompanha é bem eficiente e tem duas características que a diferencia da maior parte da concorrência: não tem vocalistas de apoio, metais e dançarinas - o que tira um pouco do glacê brega que permeia algumas das duplas sertanejas pop.

E temos, é lógico, o fator visual. Victor & Leo fazem o tipo modelo ou ator de novela: altos, em boa forma física, usando um visual casual chic... Mas isso seria de pouca serventia, caso o conteúdo musical de seu trabalho não fosse bem resolvido.

Além de músicas próprias como Deus e Eu no Sertão e Borboletas, eles também se valem de material alheio em shows e discos. E essas escolhas falam muito sobre suas tendências musicais.

60 Dias Apaixonado, por exemplo, é da fase em que Chitãozinho & Xororó apostavam nas raízes da música sertaneja. Nova York, de Chrystian & Ralf, tem um espírito roqueiro típico daquela dupla.

Aliás, esses dois duos sertanejos sempre tiveram como marca o espírito pop de experimentar novos rumos.

E tem a releitura de Anunciação, de Alceu Valença, outro especialista em misturas e um decano da MPB. E o espírito geral é puro Roupa Nova, no sentido de polidez, de eficiência instrumental e de limpeza sonora.

 

Fonte: R7

Conheça a história da cantora Elis Regina

Programa da Record News relembra trajetória da estrela

 

A partir de imagens dos anos 60 e 70, o programa Arquivo Record, da emissora Record News, conta a história da cantora de MPB Elis Regina.

Em cerca de 16 minutos, amigos e produtores musicais comentam o talento e  lembram a trajetória da intérprete também conhecida como Pimentinha.

 

 

 

 

 

Fonte: R7

Meu novo disco é o melhor nos últimos dez anos, diz Fábio Jr.

Músico fala sobre o CD Romântico e a turnê 2010 ao R7

 

 

Fábio Nunes/Divulgação

Em Romântico, Fábio Jr. regravou músicas como Rancho Fundo, Fio de Cabelo e É o Amor.
 
Cantor disse que sempre foi fã de música sertaneja
 

 

Embalado e empolgado com seu mais recente álbum – Romântico –, o cantor e compositor Fábio Jr. dará o pontapé inicial a sua turnê 2010 no final desta semana.

 

A série de concertos começará na sexta-feira (29), no Vivo Rio, no Rio de Janeiro, e divulgará o disco que o músico considera o melhor dos últimos dez anos.

Sob uma levada pop, o CD - que foi lançado no final de 2009 - reúne 13 clássicos da música sertaneja como Rancho Fundo, Fio de Cabelo e É o Amor.

Para o deleite das fãs cariocas, Fábio voltará a subir ao palco da casa de shows no sábado (30). Os ingressos para as performances já estão à venda e custam entre R$ 60 e R$ 120.

Em entrevista por e-mail ao R7, o autor dos sucessos Pai, Caça e Caçador, Alma Gêmea e Felicidade falou sobre o disco e a turnê. Ainda no papo eletrônico, o músico disse o que pensa sobre o assédio das fãs e descartou a possibilidade de voltar a atuar em 2010. A seguir, leia a íntegra da conversa.

 

 

R7 - Por que gravar um álbum com clássicos da música sertaneja e rearranjá-los com uma levada pop?
Fábio Jr. -
Essa era uma ideia antiga. Sempre fui fã de música sertaneja. Sempre tive vontade de regravar essas canções com a minha pegada.

Como há muita coisa boa, o difícil foi definir o repertório.  Acho que o resultado ficou muito bom. Para mim, esse é o melhor disco da minha carreira nos últimos dez anos.

 

R7 - Quais são as diferenças entre a turnê 2010 e as outras?
Fábio Jr. -
O cenário será o mesmo da turnê 2009. Ele deixa o show mais aconchegante. Como gosto bastante desse formato, preferi não mexer.

A diferença da turnê 2010 é basicamente o repertório, no qual vou incluir as músicas do disco Romântico. Ainda não sei exatamente quais e estou pensando também como farei isso. Não sei se essas canções entrarão em um bloco só ou se serão diluídas durante cada apresentação.

 

R7 - A turnê 2010 passará por todo o Brasil?
Fábio Jr. -
Se Deus quiser! Quero levar os meus shows para todo o Brasil.

 

R7 - Seu público é formado em grande parte por mulheres. Isso lhe incomoda? Já que muitas não vão aos seus shows para ver o Fábio Jr. músico, mas sim, o Fábio Jr. bonitão.
Fábio Jr. -
De jeito nenhum, como isso poderia me incomodar? O carinho que recebo delas é muito grande, só tenho a agradecer.

 

R7 - Pensa em voltar a gravar músicas em inglês? Ou atuar em novelas?
Fábio Jr. -
Não. Não, tenho projeto de voltar a gravar em inglês. Atuar, por enquanto, não. Gravar uma novela demanda muito tempo e eu não teria como conciliar os shows com as gravações.

 

R7 - Quando lançará o próximo álbum com inéditas?
Fábio Jr. -
Ainda não sei, estou focado na divulgação desse CD.

 

Fonte: R7

Jorge Palma e Zeca Baleiro no Rock In Rio Lisboa 2010

Mais uma dupla luso-brasileira adicionada ao cartaz.

 

Jorge Palma e Zeca Baleiro vão actuar juntos no Rock In Rio Lisboa 2010, mais precisamente no Palco Sunset, anunciou hoje a organização.

A confirmação desta actuação segue-se à notícia de que, pelo mesmo palco, passará a parceria também luso-brasileira de Luís Represas e Martinho da Vila .

Até ao momento, o único nome confirmado no palco principal do Rock In Rio Lisboa são os Muse , cabeças-de-cartaz de dia 27 de Maio.

Ivete Sangalo e Lady Gaga foram já dadas como certas no festival da Bela Vista, mas não são confirmadas pela organização. O jornal brasileiro Estado de São Paulo avançou ainda que estariam a decorrer "negociações" com AC/DC e Radiohead .

Entretanto, os Bon Jovi vão actuar no Rock In Rio Madrid a 4 de Junho, o que levou a alguma especulação sobre uma visita dos norte-americanos à edição portuguesa do mesmo festival.

 

Fonte: Blitz

Chiclete com Banana grava DVD na Europa

Chiclete com Banana grava DVD na Europa

 

Empolgado com o sucesso do álbum "Flutuar Ao Vivo", o Chiclete com Banana decidiu gravar outros dois DVDs neste ano.

O primeiro será gravado no começo de julho, durante uma turnê da banda pela Europa. Já o segundo DVD irá homenagear o rei do baião Luiz Gonzaga. A gravação acontecerá em Recife, capital de Pernambuco.

 

Fonte: Carnasite

Martinho da Vila é confirmado para Rock in Rio-Lisboa 2010

O sambista Martinho da Vila

 

Martinho da Vila é o primeiro artista brasileiro a ser confirmado para o festival Rock in Rio-Lisboa 2010, que acontecerá nos dias 21, 22, 27, 28 e 29 de maio, no Parque da Bela Vista.

Ao lado do cantor português Luís Represas, o sambista se apresentará no palco Sunset Rock in Rio, espaço dedicado a parcerias inesperadas, promovendo a fusão de ritmos como o hip hop, fado, reggae, pop, rock, soul e outros estilos musicais.

Segundo a organização do evento, a ideia do palco é promover "encontros premium", nos quais nenhum artista ou banda atua sozinho, criando um show novo, único, para ser apresentado com exclusividade ao público.

Até o momento, além de Martinho da Vila e Luís Represas, o trio britânico Muse também está confirmado para o Rock in Rio-Lisboa 2010, apresentando o álbum The Resistance, sétimo de sua carreira, no Palco Mundo.
 

 

Fonte: Terra Música

Alexandre Pires grava 'Aquarela do Brasil' para projeto da Disney

Alexandre Pires gravou 'Aquarela do Brasil'

 

O cantor Alexandre Pires é uma das estrelas do projeto Disney Adventures in Samba, que apresenta versões revisitadas em ritmo de samba de clássicos dos filmes Disney com grande nomes da música brasileira - além sambas propriamente ditos.

Aquarela do Brasil, clássico de Ary Barroso de 1937, cantada por Alexandre Pires, se tornou conhecida mundialmente ao ser incluída na trilha de Alô, Amigos!, primeiro filme do personagem Zé Carioca, de 1942.

Participam do disco astros como Martinho da Vila, Arlindo Cruz, Alcione, Daniela Mercury, Jorge Aragão, entre outros.

 

Um show de lançamento com os artistas do CD está previsto para acontecer no dia 25 de janeiro, no Rio.

 

Veja abaixo as músicas do CD
Aquarela do Brasil / Alexandre Pires
1- Na Baixa do Sapateiro (Bahia) / Daniela Mercury
2- Tico Tico no Fubá / Leci Brandão
3- A Estrela Azul (When You Wish Upon a Star) / Martinho da Vila
4- Você já foi à Bahia? / Margareth Menezes
5- Aqui no Mar (Under the Sea) / Diogo Nogueira
6- A Bela e A Fera (Beauty and the Beast) / Alcione e Sylvinha
7- Eu Vou (Heigh Ho) / Grupo Molejo
8- O Que Eu Quero Mais É Ser Rei (I Just Can't Wait To Be King) / Exaltasamba
9- Somente o Necessário (The Bare Necessities) / Dudu Nobre
10- Supercalifragilisticexpialidoso / Ana Costa
11- Amigo Estou Aqui (You've Got A Friend In Me) / Jorge Aragão
12- Os Quindins de Yaya / Casuarina
Pagode na Disney / Arlindo Cruz

 

Fonte: Terra Música

Ed Motta de volta ao baile

 

   Depois das primeiras e segundas intenções de seu Manual prático para festas, bailes e afins Ed Motta retoma o clima de festa em Piquenique, seu novo álbum lançado pela Trama. Décimo título da carreira do cantor, o disco vem em clima pop depois de viagens a países experimentais. Mas não perde referências do caminho.

O cardápio de Piquenique tem soul com raízes dos anos 70. Tudo muito bem trabalhado e com sonoridade própria como preza a marca perfeccionista de Ed Motta, confesso aficionado por timbres e texturas musicais. O disco tem alma dançante, músicas boas que pegam como irresistível chiclete pop/soul mantendo as intenções do jazz.

O álbum segue receita de bons sucessos como Fora da lei (1997) e Colombina (2000), ambas parcerias dele com letras caprichadas de Rita Lee. A dupla volta a se reunir nesse novo álbum, e Rita e Ed assinam Nerfetiti, bom jogo de rimas coberto com batida funk. Esse baile de Ed Motta anuncia outra participação feminina, com a voz de Maria Rita no clima sacana de A turma da pilantragem com irresistível balanço e dueto que revela perfeita união das grandes vozes.

Mulher de Ed há 18 anos, a artista plástica Edna Lopes estreia como letrista no disco assinando onze das doze músicas. Seus temas cabem perfeitamente na festa de Ed. Os temas variam, podendo ir desde a personagem classe média de Mensalidade ("Fiz crediário e carnê / Pensando em ter") até a divertida perua embriagada da ótima Pé na jaca ("Foi pro iate / Com uma bebida escarlate / Cor do esmalte / E do baton sur ton"). Algo entre o cartoon e o cinema americano, Nicole versus Cheng tem cenas de perseguição e sonoplastia típica. O resultado soa coeso também em baladas como Carência no frio e Compromisso. Mas o tom é mesmo o baile como fica claro desde a abertura com a deliciosa Minha vida toda com você, pronta para estourar nas rádios.

Piquenique tem produção dividida entre Ed Motta e o multi-instrumentista Silveira. O clima passa pelo funk do Doobie Brothers e dos brasileiros Robson e Lincoln em um disco festivo e sofisticado. Ed Motta troca as experiências musicais optando por retomar a boa festa. Vozeirão, talento e cadência funk/soul casam com o profundo conhecimento de causa. Ávido colecionador musical, Ed Motta persegue vinis de mestres do balanço. Aqui ele está de volta ao universo deles na festa pop e alegre desse Piquenique, trilha ideal para um sábado à noite cheio de estilo.

 

Fonte: ZiriGuidum

Pitty gosta e 'acha estranho' sua música 'Me adora' em versão forró

Pitty estranhou sua música em versão forró

 

A banda cearense Aviões do Forró é conhecida por gravar sucessos de artistas internacionais em versões bastante abrasileiradas. Pois bem, só que desta vez a banda elegeu a roqueira Pitty, e seu sucesso Me adora ganhou sua versão no mais original forró.

 

Ok, mas e a homenageada, o que achou disso tudo?

"Cara, eu ouvi e achei muito doido. E assim, é estranho e legal ao mesmo tempo. Estranho porque é um ritmo completamente diferente, sabe? Mas, por outro lado, é uma homenagem bacana uma pessoa de tão longe pegar sua música e fazer a versão dele, isso é muito legal¿, disse Pitty.

É isso. Pitty agora adorada na guitarra e na sanfona.

 

Fonte: Terra Música

Nana Caymmi vai gravar DVD ao vivo esse ano

Nana Caymmi

 

A cantora Nana Caymmi pretende gravar, ainda este ano, um DVD ao vivo. O vídeo é para comemorar seus 50 anos de carreira. "Não sou o Roberto Carlos, mas tenho direito de festejar esse aniversário", afirmou a cantora, durante show realizado neste domingo em São Paulo.

Segundo ela, falta definir o local onde o DVD será gravado. "Estamos atrás de um teatro por aí", brincou. Ela ainda adiantou que o repertório será uma retrospectiva de sua carreira. "Vou cantar tudo aquilo que vocês já estão acostumados", adiantou.

Nana Caymmi iniciou sua carreira em 1960, cantando a faixa "Acalanto" num disco de seu pai, Dorival Caymmi. Seu primeiro disco, Nana, é de 1963. O mais recente, Sem Poupar Coração, foi lançado no ano passado.  

 

Fonte: IG Música

Tom Zé ao vivo em Viseu

 
Tom Zé (na foto) actua no Teatro Viriato, em Viseu, no próximo dia 21.

O músico brasileiro vem apresentar o álbum "Estudando a Bossa", editado em 2008. Trata-se do último capítulo de uma trilogia iniciada em 1976, com "Estudando o Samba", e recuperada em 2005, com "Estudando o Pagode".

Nome incontornável da música brasileira, Tom Zé abre a nova temporada do Teatro Viriato. Citado pelo Jornal de Notícias, o director-geral e de programação da sala, Paulo Ribeiro, sublinha que o músico «continua a transfigurar-se completamente em palco».

O espectáculo, com hora de início marcada para as 21h30, tem a duração de 90 minutos. Os bilhetes podem ser adquiridos por 20 euros (plateia e camarotes) e por 10 euros (em pé).

 

 

Fonte: Cotonete

Repaginados

veljemsites

 

O excesso de recursos e o grau de tecnologia que você usa em um site não representam muita coisa, principalmente quando se trata de páginas sobre artistas.

Em uma primeira situação, a busca foi pela beleza estética, o que é compreensível. Sites cheios de badulaques, penduricalhos e todos os recursos possíveis e imagináveis disponíveis, com a intenção de passar uma imagem moderna, atualizada.

Ontem, foi lançado novo site de Victor e Leo, e algumas semanas atrás, o da dupla Jorge e Mateus. Há alguma semalhança entre eles?

Há. São mais simples, mais leves, com menos recursos e, por isso, mais fáceis de navegar, mesmo que seu computador tenha uma configuração bastante modesta.

Os dois têm lá seus caprichos, alguns efeitos em flash e etc, mas nada que comprometa a navegação. É mais um passo interessante dados pelos sertanejos aqui na internet.

A estrutura dos dois sites, feitos por empresas diferentes, é até meio parecida, o que mostra que há mesmo o cuidado em ir atrás de quem está por dentro do assunto.

Vale citar também o site da dupla Zezé di Camargo e Luciano, que já tem alguns meses, mas que parece ter seguido essa tendência de simplificar.

É aquele velho ditado que diz que, às vezes, menos é mais.

Não quero estender tanto o assunto porque na semana que vem tem novidade sobre isso também, mas com o lançamento desses dois sites, não dava pra deixar passar batido.

Fazendo um adendo: ao contrário do que muita gente esperava, Victor e Leo não só não anunciaram um perfil no Twitter, como desmentiram toda e qualquer participação da dupla em redes sociais (Orkut, Facebook, etc).

Os irmãos já haviam comentado, em uma entrevista publicada aqui, que se tivessem twitter, ele seria administrado pela assessoria, o que não parece tão interessante assim, já que o site oficial já dá conta das notícias sobre a dupla.

Vou atrás para saber mais sobre esse assunto, já que tanta gente pergunta, e volto com a resposta aqui.

O site do Victor e Leo pode ser acessado clicando aqui, e o do Jorge e Mateus, aqui.

 

Fonte: Universo Sertanejo

Especial dos Mamonas Assassinas é lançado em DVD

 

Uma parceria da EMI Music com a Globo Marcas coloca no mercado um DVD especial sobre a banda Mamonas Assassinas. O DVD traz o programa “Por Toda a Minha Vida” exibido pela TV Globo em 2008 sobre o grupo que foi fenômeno musical no país nos anos 90.

O DVD traz cenas raras da banda no palco, inclusive imagens do último show realizado em 02 de março de 1996, em Brasília, e depoimentos de pessoas ligadas ao grupo, como o produtor Rick Bonadio. A direção do DVD é assinada por José Luiz Villamarim.

Além de imagens reais, “Por Toda a Minha Vida” traz cenas dramatizadas por atores que interpretam os músicos, de acordo com depoimentos colhidos por pessoas ligadas aos fatos.

 

Fonte: Território da Música

Confira a versão dos Aviões do Forró para "Me Adora", da Pitty

Pitty disse que ficou lisonjeada com o cover

 

A banda Aviões do Forró regravou o sucesso "Me Adora", da cantora Pitty, em versão forró eletrônico.

A música faz parte do disco mais recente de Pitty, "Chiaoscuro", e ganhou roupagem nova com zabumbas e teclados dos Aviões do forró.

Pitty chegou a comentar o cover em sua conta no Twitter:

"Se isso é indicativo de que a música bombou além das esferas premetidas, acho lisonjeiro", escreveu.

Abaixo você confere o cover:

 

 

Fonte: Cifraclub

Lançamento do Cd de Zadeyr do forró

Sacode,sacode,sacode! É isso mesmo, é pra todo mundo sacudir ao som do ritmo eletrizante do Forró universitário.
 
O artista:
Cantor e Compositor Zadeir Ferreira dos Santos,  Zadeyr, (como prefere) nasceu no dia 27/11/1967 em Londrina-Pr  em uma família musical de cinco filhos. Seus pais Antonio Ferreira, e Maria Reis, seu pai, também possui certo talento para arte musical e Zadeyr cresceu admirando esses exemplos, que o inspiraram a seguir os mesmos passos.
Já lançou seu Primeiro CD. O trabalho de estréia é “Arrebentando no Forró” (2009 - independente).
 
O gênero:
 Zadeyr  e sua banda é mais nova atração a se apresentar nas principais capitais em 2010. Muita animação,emoção e alegria irá contagiar os apaixonados pelo forró.
O Zadeyr traz para vocês um ritmo gostoso, provocante e alegre. É o forró! Aqui você vai conhecer um novo forró que está conseguindo se manter no cenário nacional e que utiliza instrumentos nunca antes imaginados por um forrozeiro, além de passar pelo antigo forró, lembrando os arrasta-pés que ainda embalam muitas festas. No seu site você também vai poder encontrar desde fotos, músicas, wallpapers e a agenda completa de shows,  tudo preparado especialmente para você, que curte forró.  
 
Acesse o site, ouça e baixe sua música de trabalho.

http://www.zadeyrdoforro.br30.com
 
Promoção:
*Mande-nos um e-mail, ou me add. no MSN, fala ndo o que vc achou da música, e concorra a uma TV de Plasma e um kit do cantor Zadeyr, somente através do e-mail: zadeyrdoforro@hotmail.com
 
Contato com o artista:
Zadeyr do Forró
O show que você procura está aqui!
e-mail e MSN- zadeyrdoforro@hotmail.com
Telefone-43-9105-6224
Cambé/Paraná/Brasil
 

 

Enviado por JP Marcela

Pág. 1/2