Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Música do Brasil

Música do Brasil

Com atraso, Rappa lança seu 7º disco

Primeiro CD de inéditas da banda desde 2003 tem 14 canções gravadas de modo "artesanal", "como se fazia antigamente" Falcão, o vocalista, afirma que o "grande sonho" do grupo é "ser como os Paralamas'; "Eles não estão tocando por dinheiro"

 

"O negócio é ter o espírito, querer fazer um disco novo para construir uma obra, não por obrigação. Esse disco foi adiado três vezes, era para ter saído no ano passado." A frase é de Xandão, guitarrista da banda carioca O Rappa, e se refere à criação do recém-lançado "7 Vezes", o sétimo álbum de um dos mais longevos e bem-sucedidos grupos da geração anos 90.

O guitarrista e o restante da banda -o cantor Falcão, o baterista Lobato e o baixista Lauro- estão reunidos com a Folha em um estúdio em São Paulo, onde fazem show no próximo dia 20, no Credicard Hall, para falar sobre o primeiro álbum de inéditas desde "O Silêncio que Precede o Esporro" (2003) -entre eles, houve o "Acústico MTV" (2005), que os manteve em turnê até agora.

"Na estrada, você acaba perdendo a noção do tempo. Então, o momento de começar um disco novo surge naturalmente", diz Lauro. Lobato exemplifica melhor: "É como a vontade de ir ao banheiro, é fisiológico. Você sabe que tem que fazer naquela hora". Falcão é quem situa a obra dentro da carreira da banda. "Lançamos "O Silêncio..." num momento em que duvidavam da gente, porque [achavam que] o Rappa era o Yuka", diz, referindo-se ao ex-baterista, compositor e principal letrista do grupo, que foi baleado em novembro de 2000, ficou paraplégico e deixou a banda no fim de 2002, após brigas internas. "Com o "Acústico", pegamos nossa geração de fãs e, por ele ser visto pelas rádios como coisa mais leve, conquistamos também uma galera mais velha."

Entre um disco e outro, perderam o produtor Tom Capone, com quem trabalhavam desde 2001, morto em um acidente de moto, em 2004. "Chegou um dia em que não tínhamos mais Tom Capone, o "Acústico" já tinha passado, tínhamos conquistado o novo público, e chegou o momento em que veio um tapa nas costas do tipo "agora, é com vocês".

 

Modelo Paralamas

Deixados por conta própria, os quatro se mostraram prolixos: gravaram uma centena de bases de canções e foram agrupando-as em três categorias -"forno" (para as "quentes"), "esquisito" e "geladeira" (para as que seriam descartadas). Depois de muita votação, chegaram às 14 canções que formariam o disco (incluindo uma versão de "Súplica Cearense", de Nelinho e Gordurinha), e começaram a gravá-lo "de modo artesanal, como se fazia antigamente, tocando cada faixa por inteiro", diz Xandão.

Tanto o disco quanto seu processo de criação ficaram ao gosto da banda. Mais do que um novo álbum, o Rappa diz ter encontrado um novo rumo como músicos, como produtores, como banda. E é Falcão quem cita o modelo a ser seguido. "Nunca perdemos o foco na vontade de tocar. Nosso grande sonho é ser como os Paralamas. Olho o Bi, o Barone e o Herbert e vejo que não estão tocando por dinheiro, mas porque são músicos. Se o cara sobe no palco pensando em pagar as contas, vai estar sempre devendo."

 

Fonte: Folha de S. Paulo